Coréia do Sul inova com guard-rail que absorve impactos.

Você conhece o novo guard-rail coreano?

A segurança no trânsito depende de vários fatores. Gentileza e respeito, por exemplo, são essenciais, fora uma infraestrutura de qualidade que também garanta a proteção de condutores e pedestres nas ruas. Afinal, problemas como semáforos queimados, ruas sem asfalto e falta de sinalização podem causar graves acidentes.

Pensando nisso, a Coreia do Sul deu uma aula de tecnologia aplicada a mobilidade e criou um modelo de guard-rail que pode salvar vidas. Mas antes, vamos entender quais as diferenças entre a nova tecnologia coreana e o modelo tradicional brasileiro:

Aqui no Brasil, o guard-rail (ou guardrail) nada mais é do que a mureta feita de metal presente nas margens de ruas e estradas para proteger os carros, fazendo com que eles parem, evitando quedas e batidas mais graves. Entretanto, são registrados diversos casos de acidentes com lesões e mortes causados pela colisão contra esse tipo de mureta. Isso acontece, pois, seu material metálico não absorve o impacto da batida e pode até ceder, fazendo com que o automóvel atravesse a pista ou tenha uma queda de muitos metros.

Mesmo não evitando 100% dos acidentes, a presença das muretas é de extrema importância para proteger os motoristas e pedestres. É aí que entra o novo modelo oriental.

A empresa sul-coreana ETI (Evolution in Traffic Innovation) criou um novo sistema de rolamento para os guard-rails, utilizando um princípio físico diferente usando um novo material para a construção.

As muretas têm como principal matéria-prima o EVA – um material leve, resistente e flexível feito a partir de espuma sintética que apresenta maior elasticidade se comparado com outras resinas de polietileno, além de ser dificilmente danificado. O sistema de rolamento feito em EVA absorve a força do impacto, convertendo essa força em energia de movimento rotacional para impulsionar o veículo para frente, evitando que ele volte descontrolado para a pista ou bata bruscamente contra a barreira, como acontece com as muretas de metal.

Deixe o seu comentário

Você deve estar logado para comentar.